//
você está lendo...
Direitos Humanos, Ecologia, Econômia, Política

Saudades da Guerra Fria?

Já faz algum tempo que venho trabalhando na questão da necessidade que o ser humano tem da dualidade; explico; dualidade em outras palavras, é que tem que haver a luta entre opostos, bem e mau(ou mal, depende de como se olhar), verdade e mentira, virtude e vício, etc.

Pois bem, quando caiu o muro de Berlim foi destruída mais do que uma construção física de 28 anos que separava Berlim ocidental da oriental. O que ruiu foi o grande símbolo de dualidade que se por um lado separava o mundo em dois blocos, o capitalista e o comunista, por outro lado, unia de certa forma a humanidade em dois polos. Se é que se pode conceber que um dia houve realmente um comunismo, mas isto é outra discussão.

O mundo se tornou órfão de dualismo, que fazer então?

A decisão foi cair de vez na farra do neoliberalismo, afinal o que venceu foi a noção, ou a sem noção do livre mercado.

Mas os recentes acontecimentos paraguaios, não me referindo a autenticidade ou não dos mesmos, pois política não é muamba; bom não deveria ser; voltando ao assunto, a deposição do presidente do Paraguai Fernando Lugo, ou as notícias a este respeito, e a leitura de um artigo de Idilio Méndez Grimaldi, onde ele evoca o termo “guerra fria”, ao descrever a criminalização e marginalização da esquerda e dos movimentos sociais, que esta acontecendo no Paraguai, me deram uma luz.

O jornalista, fala em uma orquestrada democradura, de direita apoiada pelos Estados Unidos da América e alguns países da Europa.

De certa forma até concordo com ele, mas o problema vai além, esta Guerra Fria, agora não ocorre entre países, ela está dentro deles.

A predominância do capital e do mercado, contra toda e qualquer outra instituição é de tal forma violenta e robusta que nenhum silo nuclear talvez possa se comparar a isto, pois as armas do neoliberalismo capitalista, agora estão guardadas no interior de cada um de nós. Está difícil de entender né. Então vamos exemplificar.

Se antes o capitalismo X comunismo colocava pesadelos de holocausto nuclear em nós, com a proliferação de bases nucleares, ao ponto de chegarmos a conclusão que poderíamos destruir o planeta várias vezes, simplesmente porque os estadunidenses não iam com a cara dos soviéticos, hoje pesadelo é pior.

No caso das armas nucleares, elas estavam ali a milhares de quilômetros da maior parte de nós. Davam medo sim, mas logo em seguida conseguíamos esquecer do assunto e até dormir.

Mas as armas de hoje são piores, a menor ameaça ao mercado, ele aperta o botão de alerta. E este botão ativa circuitos mais eficientes ainda que a Arpanet criada pelo governo estadunidense na época da guerra fria.

Aquela que anos mais tarde deu origem a nossa rede mundial de computadores, a internet.

Através da arpanet, o Estados Unidos mesmo que um ataque nuclear soviético interrompesse parte de seu sistema de comunicação, ou partes, ela era de tal forma “inteligente” que nada poderia impedir de lançar a retaliação, garantindo assim o extermínio de nosso planeta.

Mas as armas desta guerra agora são mais sofisticadas, ao apertar o botão de alerta, o mercado coloca cada cidadão do mundo dito civilizado em estado de alerta máximo! Se os ataques contra ele se consolidarem, estes cidadãos “civilizados” sabem que será o início da “auto destruição em massa”, mas pior que isto, será a destruição dele mesmo, como se houvesse uma bomba dentro de cada um de nós. E esta bomba será detonada se derrubarem o mercado.

O sinal vermelho, está em vários lugares, mas o índice por excelência é o das bolsas de valores de todo mundo.

“Se o sistema cair, como vão pagar suas contas amanhã? Onde abastecerão seus carros? Não vai mais ter Miami para passear?”

Será o fim dos tempos, nem comida teremos. Em outras palavras, o sistema do consumismo e do neoliberalismo, fez de cada um de nós seus reféns. Nem devemos tentar pensar em frea-lo, mesmo sabendo que não existem mais condições de continuar.

Pois se na guerra fria construíram armas atômicas o suficiente para acabar com o mundo várias vezes. O que temos agora também consome o planeta várias vezes.

Injustiça social então! Nem se fala, fica quieto, quem não pode comprar não é digno de viver.

Esta é a pregação que foi implantada em nós, junto com as bombas.

A guerra fria agora não se trava entre nações, mas entre as legitimas representantes do sistema vigente, as corporações de um lado, do outro a vida como um todo neste lindo planetinha azul que estamos ansiosos por destruir. Mas tudo bem, desta vez o planetinha até sobrevive, quem não passa pelo buraco desta agulha seremos nós onipotentes seres humanos.

Antes de terminar esta pequena crônica, queria pedir uma ajuda ao leitor.

Rapaz, estou quebrando a cabeça, mas ainda não consegui desarmar a bomba que está em mim. Será que alguém pode me ajudar?

Anúncios

Sobre Paulo Sanda

Abençoado com uma linda e querida esposa e filhos maravilhosos (hehe que pai não diz isto). Teólogo em formação, sempre pensando, humanista, e sócio-ambientalista. Membro fundador da ONG RUAH http://www.gaiacasacomum.blogspot.com. Pescador, que não tem nenhum tempo para exercer seu hobby, postulante da IEAB. Articulista do portal Ecodebate. Palestrante, ex-profissional da área de tecnologia. Adepto do GNU. E...?

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 374 outros seguidores

Cassetadas no Twitter

Acessos

  • 2,526 hits
%d blogueiros gostam disto: